Brise, pilotis e estrutura em balanço explicados para crianças no Casacadabra

arquitetos_casacadabra

Este livro traz descobertas da arquitetura, conhecendo dez casas por todo o mundo – quatro delas no Brasil.

 

Com brincadeiras, interatividades e exercícios propostos para fazer em casa ou na escola, o livro leva o leitor a descobrir segredos e detalhes da arquitetura ao mesmo tempo em que percebe as casas como espaços lúdicos.

 

Projeto

Palavras a princípio complicadas – brise soleil, um pilotis ou uma estrutura em balanço – são explicadas de maneira simples e didática, e com ilustrações de Carolina Hernandes, designer e ilustradora formada pelo IED. A proposta do Casacadabra é ser leitura e também objeto de brincadeira e aprendizado, sempre estimulando a criança a pensar sobre sua casa e sua cidade, e desenvolver maneiras de ver o mundo à sua volta.

“Se o ensino de arquitetura começar pela criança, as cidades têm a chance de receber, no futuro, um olhar mais crítico e apurado de quem a constrói, na busca de melhores soluções urbanas”, propõem Bianca Antunes e Simone Sayegh, idealizadoras do projeto e responsáveis pelo texto e edição. Bianca é jornalista e trabalha há 12 anos na difusão de arquitetura em mídia especializada, assim como Simone, que é arquiteta de formação.

A publicação traz dez casas construídas pelo mundo e assinadas por arquitetos famosos. Do exterior, a Casa Batlló em Barcelona, de Gaudí, ou a Fallingwater, nos Estados Unidos, de Frank Lloyd Wright. Quatro projetos brasileiros têm destaque: a Casa de Vidro, de Lina Bo Bardi, a Casa Bola, de Eduardo Longo, a casa Grelha, de FGMF, e um edifício cheio de casas: o Copan, de Oscar Niemeyer.

6-casas_casacadabra

 

casa_de_vidro_ilustracao_carolina_hernandes-casacadabra-vidro-certo

Assista ao video de montagem da maquete da Casa de Vidro. Uma das atividades que acompanha o livro.

 

Porque um livro de arquitetura para crianças

As autoras partem da ideia de que as cidades serão mais justas e humanas quando a arquitetura e o urbanismo começarem a ser ensinados desde o princípio: nas aulas de ensino básico, fundamental, médio e não apenas nas salas de aula das faculdades de arquitetura. Nos livros para as crianças, e não apenas em artigos acadêmicos. “Acreditamos na educação para abrir os olhos das pessoas, desde cedo, para o lugar em que vivem. Casacadabra é um pequeno passo para essa transformação”, dizem as autoras.

Hoje mais de 50% da população mundial mora em cidades (no Brasil, esse número sobe para 85%). A lógica das construções é algo que pode ser acessível a todos, mas hoje não é automaticamente visível. “Se quisermos cidades melhores, precisamos aprender os princípios da arquitetura desde cedo, aprender a ler a cidade, seus códigos ocultos”, dizem.

A qualidade do espaço pode mudar comportamentos, melhorar a convivência entre as pessoas, aumentar percepções e a apropriação do próprio espaço, desde a pequena escala da casa. Alerta disso, a criança cresce e cria, também, a consciência crítica em relação à cidade.

Financiamento coletivo

Casacadabra é uma iniciativa pioneira no Brasil de trazer conteúdos específicos de arquitetura para o público infantil. O livro foi lançado dia 13 de abril na ferramenta de financiamento coletivo Catarse (catarse.me/casacadabra).

Há contrapartidas de 30 a 173 reais – que vão desde um agradecimento no site, passando pelo livro e recompensas como maquetes de papel da Casa de Vidro para recortar e montar, feitas especialmente para o projeto por Valéria e Roberto Fialho (Nave Arquitetos). Há contrapartidas especiais a partir de 500 reais. A equipe também busca apoios e patrocínios para que não apenas a produção do livro seja financiada, mas também atividades educativas relacionadas ao Casacadabra, levando a publicação às ruas e gerando discussões.

“Somos uma editora independente e Casacadabra é nossa primeira publicação. A divulgação pelo Catarse nos ajuda a encontrar nossos leitores e a disseminar nossas ideias”, contam as autoras. A aposta é que o financiamento colaborativo ajude a conquistar leitores, para que a publicação aconteça e possa gerar novas edições, que continuem tratando do tema urbano para o leitor infantil e infanto-juvenil.

As autoras

Bianca Antunes é jornalista formada e mestre pela ECAUSP (2000 e 2008), pós-graduanda na Escola da Cidade (2015) e atua há 12 anos na difusão da arquitetura. É editora da revista AU – Arquitetura e Urbanismo (Editora PINI) desde 2009, e foi editora-assistente da mesma revista de 2004 a 2009. É autora de livros de arquitetura pela editora C4 e BEI, organizadora do livro Entrevistas (Editora PINI) e colaborou com o Dutch Culture/Ministério da Cultura da Holanda na atualização de um mapeamento cultural brasileiro na área de arquitetura (2015).

Simone Sayegh é arquiteta formada pela FAUUSP (1995) e trabalha há 15 anos na difusão da arquitetura em revistas especializadas e sites para o público final, como revista AU – Arquitetura e Urbanismo (Editora PINI) e UOL. Seus textos constam em livros de arquitetura e livros técnicos.

Para a realização de Casacadabra, a Pistache Editorial conta com o trabalho de Carolina Hernandes, responsável pelo projeto gráfico e pelas ilustrações. Carolina é designer e ilustradora formada pelo Istituto Europeo di Design (2014), cursou arquitetura e urbanismo na FAUUSP e é pós-graduanda em planejamento e produção de mídia impressa pelo Senai SP (2016).

O livro

Casacadabra apresenta dez casas pelo mundo:
01. Casa de Vidro, Lina Bo Bardi (São Paulo, Brasil)
02. Casa Bola, Eduardo Longo (São Paulo, Brasil)
03. Edifício Copan, Oscar Niemeyer (São Paulo, Brasil)
04. Casa Grelha, FGMF (Serra da Mantiqueira, Brasil)
05. Casa Dymaxion, Buckminster Fuller (Estados Unidos)
06. Fallingwater, Frank Lloyd Wright (Mill Run, Estados Unidos)
07. Casa Batlló, Antoni Gaudí (Barcelona, Espanha)
08. Bedzed, Bill Dunster (Londres, Inglaterra)
09. Casa NA, Sou Fujimoto (Tóquio, Japão)
10. Quinta Monroy, Alejandro Aravena/Elemental (Iquique, Chile)

Detalhes:
Páginas 80
Dimensão 21 cm x 21 cm
Texto Bianca Antunes, Simone Sayegh
Ilustração Carolina Hernandes
Editora independente Pistache Editorial (www.pistacheeditorial.com.br)
Lançamento setembro de 2016 (previsão)

Fonte: Vitruvius